4 Doenças bucais que podem ter relação com a saúde mental

4 Doenças bucais que podem ter relação com a saúde mental

Quando pensamos em doenças bucais, não associamos elas à nossa saúde mental, mas em grande maioria das vezes ambas situações estão conectadas.

O nosso sistema nervoso está diretamente interligado com a nossa saúde bucal, e é justamente por isso que a depressão e outras questões emocionais também conseguem transmitir complicações para a boca.

Diante dessa situação separamos 4 doenças orais que podem afetar o nosso psicológico.

 

1.   Cárie

É uma das doenças bucais mais conhecidas, mas até hoje muitas pessoas ainda vêem a cárie como somente um pontinho preto no dente.

O grande problema é que ela leva a deterioração da estrutura dentária, que acontece quando as bactérias que estão presentes na boca possuem um maior desenvolvimento.

O grande problema é que com o tempo as bactérias evoluem, corroendo não só as camadas do dente mas também a pulpite.

Para as pessoas que sofrem com problemas emocionais como ansiedade, a cárie pode ser desencadeada por uma falta de higiene bucal.

Justamente porque a maioria das pessoas que passam por esse problema acaba negligenciando o cuidado.

Em situações onde ocorrem as crises de ansiedade, a pressão sobre os dentes pode danificar aumentando a chance de quebra de um dente já fragilizado.

Nesses casos a odontologia indica a restauração ou aplicação de uma lente nos dentes para corrigir as falhas causadas que geram perda da estrutura dentária.

 

2.   Gengivite

A gengivite certamente é uma das inflamações gengivais mais perigosas, caracterizada por uma inflamação que ocorre no tecido das gengivas.

Após o momento em que a inflamação começar a se desenvolver, a região se torna mais frágil gerando mais sangramentos, ardência, vermelhidão e pode gerar o mau hálito.

Em grande maioria ocorre por conta do acúmulo de bactérias que não é removido corretamente escovar os dentes, principalmente com auxílio do fio dental.

Um dos grandes perigos da gengivite é que essa placa bacteriana pode ter acesso às vias sanguíneas, que podem atingir o coração gerando maior número de problemas cardiovasculares.

Em alguns casos acaba se agravando, gerando a periodontite necessitando de procedimentos inovadores da odontologia como um implante dental para garantir conquistar novamente a firmeza na mastigação após a perda dos dentes.

 

3.   Periodontite

A periodontite em grande maioria das vezes é um estágio avançado de gengivite, se tornando uma doença infecciosa bacteriana que afeta desde o tecido das gengivas até o suporte dos dentes.

Diante dessa inflamação ocorre a perda do osso do dente, mais especificamente a raiz onde ele é sustentado, ela também ocorre com ausência dos cuidados bucais, ou em casos de próteses dentárias que venham a ser realizadas de maneira incorreta.

Esse procedimento também pode ser solucionado com um implante dental, logo após a retirada do dente já sem estrutura e raiz.

Algumas pessoas ainda têm medo do procedimento de implante, pois possuem medo da intervenção não ficar da cor ao qual os dentes naturais possuem.

Mas mesmo no caso onde o paciente faz uso de uma lente de contato dental, a prótese é realizada na cor específica da lente , para trazer maior naturalidade para o procedimento.

 

4.   Bruxismo

O protease pode ser desenvolvido diante de estresse ou grande pressão emocional durante o dia a dia. É uma atividade parafuncional que causa uma dependência de apertar ou de ranger os dentes.

Essa atividade em grande maioria é realizada durante a noite, onde sem perceber o indivíduo acaba causando os desgastes nos seus dentes além de lesões orofaciais e distúrbios da articulação temporomandibular.

Em grande maioria vem de problemas psicológicos como ansiedade e a bipolaridade, que vem no ato de  pressionar os dentes como uma medida de escape para conseguir se manter seguro e confiante.

Em grande maioria o tratamento é feito através de um protetor bucal que deve ser utilizado durante toda a noite pelo paciente.

Nesse  casos também é necessário o acompanhamento de um psicólogo, para conseguir atingir diretamente a raiz do problema e diminuir as frequências com que o bruxismo é realizado.

Pois, de nada irá adiantar fazer o uso do protetor bucal para garantir que os dentes não serão rangidos de novo, realizar as restaurações e finalizar com o clareamento dental com moldeira se o problema não for tratado na raiz.

Justamente por isso, antes de realizar todo o tratamento de bruxismo é necessário que o paciente entenda e descubra os motivos que nos levam a realizar esse vício

 

Como resolver esses problemas?

Assim como no caso do bruxismo acima de tudo, é importante entender qual é a raiz do problema, quais são os motivos que fazem com elas surjam.

Isso porque, algumas pessoas possuem mais gene bucal não por preguiça ou situações adversas, mas sim por cansaços psicológicos que as fazem desacreditar das necessidades dessas atividades no cotidiano.

Sendo assim, é importante ter ajuda especializada de um psicólogo e de um cirurgião dentista, que poderá te indicar uma nova rotina de higienização bucal mais rigorosa para garantir uma maior firmeza para o esmalte dos seus dentes por toda vida.

Ao sentir qualquer dor, incômodo ou problema em sua estrutura bucal, não perca tempo entre em contato com seu cirurgião dentista o mais breve possível para evitar que esses problemas se desenvolvam em problemas mais sérios, como a gengivite ou a periodontite.

 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Vue Odonto, uma rede especializada em atendimento odontológico com enfoque na humanização.